CUIDAMOS DA SUA CERTIFICAÇÃO

CAMINHAMOS AO SEU LADO SEMPRE.
ISO 9001 - ISO 14001 - SASSMAQ - PBQP-H - OHSAS 18001 - ISO 45001
  • Avelles Consultoria

NOVO PBQP-H - Saiba passo a passo o que fazer nesta nova versão!

As 6 principais sessões do novo regimento Siac PBQP-H comentadas para empresas certificadas - Migração! Prática! Já!

Por: Joice Piffer

O regimento SIAC PBQP-H mudou de novo, e, como aconteceu uma mudança bem próxima da outra, em 2017 e 2018, algumas construtoras decidiram migrar somente em 2020. Pela regra as empresas que passaram por auditoria até 05/2019 tiveram a opção de migrar somente no próximo ciclo de auditoria em 2020 pois ficará dentro do prazo de um ano concedido anteriormente.

Então, vamos entender o que foi alterado e incluído nessa nova revisão.

Escrevemos abaixo ponto por ponto, de uma forma simples e direta, desejando que o fortaleça e encoraje a resolver esta pendência que é muito mais simples do que imagina. A grosso modo foi o emparelhamento com a querida prima mais velha, a norma ABNT NBR ISO 9001 que passou por revisão em 2015.


Pensando positivo e de maneira assertiva, se abra a leitura e entenda que foram incluídas questões importantíssimas e que infelizmente ainda não fazem parte da rotina e visão de sequer 25% das empresas brasileiras. As práticas e análises do que as ameaçam, do que as comprometem, o fortalecimento e aproveitamento máximo das suas oportunidades, assim como a exploração dos seus pontos fortes.

Seção 4 - Contexto da organização

4.1 Entendendo a empresa construtora e seu contexto

4.2 Entendendo as necessidades e expectativas de partes interessadas

4.3 Determinando o escopo do SGQ

4.4 Sistema de gestão da qualidade e seus processos

Esse item mudou completamente e requisitos foram incorporados em outras sessões, como é o caso do Manual da Qualidade, Controle de Documentos e Controle de Registros que foram para a Sessão 7.

O que temos que fazer agora? Demonstrando uma análise detalhada de fatores internos e externo da empresa que possam comprometer seu desempenho e atendimento aos requisitos dos clientes ou sua permanência no mercado;

Levantando as partes interessadas no sistema de gestão da qualidade e seus requisitos, a fim de analisar criticamente o atendimento destas expectativas;

Determinando os processos da organização com foco na melhoria dos mesmos bem como a sequência e interação com demais processos, indicadores de todos os processos, recursos necessários para o bom funcionamento do processo, determinação de autoridade e responsabilidade por processo, levantamento dos riscos e oportunidades e fazer análise de necessidades de mudanças em cada um deles.

Seção 5 - Liderança

5.1 Liderança e comprometimento

5.1.1 Generalidades

5.1.2 Foco no cliente

5.2 Política

5.2.1 Desenvolvendo a política da qualidade

5.2.2 Comunicando a política da qualidade

5.3 Funções, responsabilidades e autoridades organizacionais

Foram excluídos o requisito e o membro obrigatório de qualquer sistema de gestão que era o Representante da Direção. Análise crítica pela direção passou a incorporar a Sessão 9 e Objetivos da Qualidade Sessão 6.

O que temos que fazer agora? Incluir na política da qualidade os compromissos em satisfazer os requisitos aplicáveis bem como sustentabilidade nos canteiros de obra;

Tornar esta política da qualidade disponível as partes interessadas determinadas anteriormente. Pode ser no site da empresa, por e-mail, comunicados.

Seção 6 - Planejamento

6.1 Ações para abordar riscos e oportunidades

6.2 Objetivos da qualidade e planejamento para alcançá-los

6.3 Planejamento de mudanças

A abordagem de provisão de recursos atribuídos a alta direção agora é tratada na Sessão 5. Infraestrutura, Ambiente de trabalho e Recursos humanos é abordado na Sessão 7.

O que temos que fazer agora? A fim de minimamente mitigar efeitos indesejáveis levantados na Sessão 4 - Contexto da Organização - e aproveitar oportunidades respectivamente, a empresa deve traçar planos de ação e os desenvolver com evidências de andamento ou finalização;

Inclusão nos Objetivos da Qualidade, os objetivos que são voltados a sustentabilidade das obras;

Complementar os objetivos com informações como: o que será feito para atingi-lo, recursos necessários, responsável, prazo para obtenção do resultado e indicadores que comprovem as ações;

Sistemática que garanta análise, antes das mudanças nos seguintes aspectos: motivo da mudança, consequências, aspectos que afetam o sistema de gestão, recursos necessários, responsabilidades e autoridades. Entende-se por mudanças: mudança de um colaborador chave, de uma máquina, de um sistema/software, mudança predial, de localização, de matéria prima ou fornecedor com alto impacto. Seção 7 - Apoio

7.1 Recursos

7.1.1 Generalidades

7.1.2 Pessoas

7.1.3 Infraestrutura

7.1.4 Ambiente para a operação dos processos

7.1.5 Recursos de monitoramento e medição

7.1.5.1 Generalidades

7.1.5.2 Rastreabilidade de medição

7.1.6 Conhecimento organizacional

7.2 Competência

7.3 Conscientização

7.4 Comunicação

7.5 Informação documentada

7.5.1 Generalidades

7.5.2 Criando e atualizando

7.5.3 Controle de informação documentada

O Plano de Qualidade da Obra, Processos Relacionados a Clientes, Projeto, Aquisição, Operação de Produção e Fornecimento de Serviço foram para a Sessão 8.

O que temos que fazer agora?

Agora pela óptica de recursos e infraestrutura a empresa também precisa considerar e garantir conformidade sob os aspectos sociais e psicológicos; p.ex. podendo incluir na pesquisa de satisfação interna ou em caixa de sugestões/reclamações;

A empresa deve garantir retenção e independência de toda informação ou conhecimento organizacional, para isso precisa analisar os gargalos e determinar métodos e formas de controle, diminuindo assim o impacto para a organização. Exemplo: Lista de senhas, seja do financeiro ou do servidor, área de T.I., torná-la acessível através de uma planilha no Drive aos interessados;

Determinar formas e métodos de comunicação aplicados pela empresa, interno e externamente incluindo o que comunicar, quando, com quem se comunicar, como e quem comunica;

No Controle de Registros, incluir controles como formato (planilha, texto...), meio (eletrônico ou físico) e acesso (restrito ou irrestrito). A norma unificou os conceitos e todos os documentos, sejam eles, documentos orientativos ou registros são compreendidos como informação documentada;

Há terminologias vistas agora, como MANTER informação documentada refere-se aos documentos obrigatórios e RETER informação documentada trata-se dos antigos registros obrigatórios.

Seção 8 - Execução da obra

8.1 Planejamento e controle operacionais da obra

8.1.1. Plano da Qualidade da Obra

8.1.2. Planejamento da execução da obra

8.1.3. Controles operacionais da obra

8.2 Requisitos relativos à obra

8.2.1 Comunicação com o cliente

8.2.2 Determinação de requisitos relativos à obra

8.2.3 Análise crítica de requisitos relativos à obra

8.2.4 Mudanças nos requisitos relativos à obra

8.3 Projeto

8.3.1 Generalidades

8.3.2 Planejamento da elaboração do projeto

8.3.3 Entradas de projeto

8.3.4 Controles de projeto

8.3.5 Saídas de projeto

8.3.6 Mudanças de projeto

8.3.7 Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente

8.4 Aquisição

8.4.1 Generalidades

8.4.1.1. Processo de qualificação de fornecedores

8.4.1.2. Processo de avaliação de fornecedores

8.4.2 Tipo e extensão do controle

8.4.3 Informação para fornecedores externos

8.4.3.1. Materiais controlados

8.4.3.2. Serviços controlados

8.4.3.3. Serviços laboratoriais

8.4.3.4. Serviços de projeto e serviços especializados de engenharia

8.4.3.5. Locação de equipamentos de obra

8.5 Produção da obra e fornecimento de serviço

8.5.1 Controle de produção e de fornecimento de serviço

8.5.1.1. Controle dos serviços de execução controlados

8.5.2 Identificação e rastreabilidade

8.5.2.1. Identificação

8.5.2.2. Rastreabilidade

8.5.3 Propriedade pertencente a clientes e fornecedores externos

8.5.4 Preservação

8.5.5 Atividades pós-entrega

8.5.6 Controle de mudanças

8.6 Liberação de obras e serviços

8.6.1 Liberação de materiais e serviços de execução controlados

8.6.2 Liberação da obra

8.7 Controle de saídas não conformes Medição e monitoramento tratado na Sessão 7. Satisfação do cliente e Auditoria interna Sessão 9. Ação corretiva na Sessão 10.

O que temos que fazer agora?

Identificar no Plano de Qualidade da Obra, as FADs e DATECSs quando aplicáveis;

No Plano de Qualidade da Obra, inclua aos serviços controlados o serviço de Instalações de Gás bem como Gradil/Guarda Corpo (efetue os respectivos procedimento e sistemática de inspeção de serviços);

No Plano de Qualidade da Obra incluir os objetivos da obra e de sustentabilidade, alinhados com a parte estratégica;

Incluir o PCT no Plano de Qualidade da Obra que antes não era exigido;

Plano de Qualidade de Obras deixar claro como atende à legislação aplicável, como por exemplo: ao CONAMA 307/2002, lei 12302/2010, CIPA, Normas Regulamentadoras;

Incluir um detalhamento sobre canteiro de obras (conforme descrito na norma) no Plano de Qualidade da Obra e intensificar a auditoria neste aspecto, pois vem sendo muito cobrado pelas auditorias de certificação;

Reter comprovantes de competência técnica do profissional responsável por serviços laboratoriais.

Seção 9 - Avaliação de desempenho

9.1 Monitoramento, medição, análise e avaliação

9.1.1 Generalidades

9.1.2 Satisfação do cliente

9.1.3 Análise e avaliação

9.2 Auditoria interna

9.3 Análise crítica pela direção

9.3.1 Generalidades

9.3.2 Entradas de análise crítica pela direção

9.3.3 Saídas de análise crítica pela direção

Sessão inserida nesta revisão da norma.

O que temos que fazer agora?

A análise e avaliação devem considerar também a eficácia das ações de riscos e oportunidades;

Entrada de Análise crítica deve adicionar: retroalimentação de partes interessadas, objetivos da qualidade alcançadas, suficiência de recursos e eficácia das ações de riscos e oportunidades;

Saídas de Análise crítica deve adicionar: necessidades de mudanças.

Seção 10 - Melhoria

10.1 Generalidades

10.2 Não conformidade e ação corretiva

10.3 Melhoria Contínua

Sessão inserida nesta revisão da norma.

O que temos que fazer agora?

Nas ações de não conformidade e ação corretiva deve-se agora analisar riscos, oportunidades e mudanças necessárias aplicáveis. Mantenha seu certificado, não abra mão do sistema de gestão da qualidade em sua empresa, veja valor nos esforços e trabalho, analise as mudanças com a mente aberta querendo entender o porquê das coisa – verá que faz muito sentido, imponha controles que acrescentem, use-os pra suprir as SUAS necessidades, enfim, garanta seus negócios e uma empresa forte que sabe como crescer.

Entre em contato conosco caso necessite de auxilio para atualização do novo regimento Siac em sua empresa pelo e-mail: contato@avelles.com.br ou pelo número: (11) 99304-0925

0 visualização
  • Preto Ícone YouTube
  • Black LinkedIn Icon
  • Black Facebook Icon
  • Preto Ícone Instagram